Category Archive:Minhas poesias

Ausência

meri post on maio 6th, 2020
Posted in Geral, Minhas poesias

Perde-se a graça

Para o sorriso

Tudo fica pasmado

Permanece o silêncio

Ficam as lembranças

Vaga uma presença

Sente-se um imenso vazio

Mas tem-se a certeza

que nada termina assim

Num dia tão vil.

In memorian a Osni Laus

Vácuo

meri post on maio 6th, 2020
Posted in Geral, Minhas poesias

A vida está vazia

O mundo está vazio

A cidade está vazia

O trabalho está vazio

O bairro está vazio

A mente está vazia

O coração está vazio,

De sorrisos

De flores

De sol

De mares

De harmonia

De tranquilidade

De amizade

De compreensão

De tolerância

De solidariedade

De amores

De sabores

De cores

De saberes

De humanidade

De humanidades…

Desejo

meri post on maio 6th, 2020
Posted in Geral, Minhas poesias

Viajei, não quis mais voltar

Fui buscar uma lembrança,

Uma emoção,

Um contentamento

Perdido em tempos idos.

Busquei na pessoas,

Consultei o tarô,

Um guru,

Um gato

Que ironia!

Não encontrei o que eu queria.

Continuei minha busca

escapando de viver

Ou vivendo na minha busca

Procurei algo intangível

Um pote de ouro no arco íris

A linha do horizonte

Perguntei ao hierofante

Que sorriu um sorriso intrigante

Busco ainda, não voltei

e não voltarei até achar

O estranho segredo que move o desejo de eu buscar!

Na rua da minha casa

meri post on maio 6th, 2020
Posted in Geral, Minhas poesias

Tem árvores, tem pássaros,

Tem também carros e espaços

Tem pessoas, tem casas

Tem barulhos, tem cachorros

Tem beleza

Tem famílias, tem problemas

Tem carteiros

Ah! os carteiros, outrora traziam sentimentos

Hoje trazem coisas e emoções virtualmente compradas.

Na rua da minha casa

Sinto-me segura

Pois lá o meu lar está.

Porto seguro a me esperar

De uma vida confusa

Acalmar e serenar

e na rede deitar e sonhar.

Bendita rua da minha casa, meu lar

alento para um coração cansado

De percorrer caminhos distantes.

Na rua da minha casa adoro voltar.

Carta aos céus

Meri Laus post on fevereiro 6th, 2012
Posted in Minhas poesias

Enviei uma mensagem aos céus
Para poder te encontrar
E poder falar todas as juras de amor que ficaram sem voz
Poder atroz de voltar ao passado e poder dizer que
Teu sorriso me enebria e me enche de alegria
Teu olhar me enfeitiça e me faz criança,
Tua força me faz vibrar e me preencho toda de ti
Read the rest of this entry >>

Palavras

Meri Laus post on janeiro 30th, 2012
Posted in Minhas poesias

Nestes versos, expresso
Todo amor e agonia, dor vazia
O conflito entre a mente e a mão
Que delineia em expressão o que me vai  n’alma.
Neste cruzeiro introspectivo encontro verbos e adjetivos
para descrever minha comoção.
Sem sentido e sem ternura vão linhas de verdades nuas
E no fundo d’alma, obscuros sentimentos escondidos e revolvidos,
vão descortinando-se neste encontro entre intelecto e emoção,
Pululam palavras soltas para dar vazão ao coração.

Nesta viagem vou me entorpecendo de eu mesma ,
encontro apocalíptico,
Busco no vernáculo o conforto, confronto último
Entre razão e ser
Desfiladeiro de sentimentos, desabrocho em palavras
as idiossincrasias do meu viver.

 

Ode ao Poeta Errante

Meri Laus post on dezembro 5th, 2011
Posted in Minhas poesias

De onde vens ó poeta errante?
Vens de terras longínquas
De terras insondáveis
Habitadas por ideias oblíquas
Sentimentos exaltados
De contrastes intermináveis

Read the rest of this entry >>

Vivências

Meri Laus post on fevereiro 17th, 2011
Posted in Minhas poesias

Vivências

O que sei sobre a vida? Quase nada…
Mas arrisco em dizer que vivo.
Mas viver é o suficiente para deslindar a vida?
Também não sei.
Mas continuo vivendo mesmo assim
Continuo buscando.
Caminho, amo, caio, levanto-me,
Só assim vivo mais um pouco e descubro os encantamentos do viver.
No caleidoscópio que é a vida, vivo!
Vivencio nos outros e com os outros seus  universos e no  humano me encontro e muitas vezes me perco.
Neste dialético movimento de ida e vinda entre mim e o outro, vivo!
E percebo que para cada dia há os seus espinhos, suas dores, suas flores,
Seus sabores, seus saberes, seus amores.

Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2010.

Meri Laus post on fevereiro 13th, 2011
Posted in Minhas poesias

O poema Indiscreta de minha autoria, foi selecionado para participar do livro de Antologia do  Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2010. Os autores selecionados aparecem em ordem alfabética neste link. Read the rest of this entry >>