26 de junho de 2012

Sabor ácido é Satwa*

por Conceição Trucommctrucom@docelimao.com.br
Observe que a palavra SABOR tem a mesma origem que SABER. Ou seja, saborear com consciência os alimentos e a vida é uma forma de aprendizado e sabedoria! Sabor pode ser um Saber com Amor…
Esta palestra surgiu de um estudo que fiz durante mais de 2 anos de pesquisas, em que cruzei conhecimentos das medicinas milenares Ayurvédica e Tradicional Chinesa, com resultados e vivências com várias terapias holísticas e a alimentação desintoxicante.
É impressionante reconhecer como cada um dos 6 sabores, se conscientemente usados na alimentação diária, pode acelerar processos de cura, transformações pessoais/existenciais e ajudar nossos filhos (e todos nós) no seu processo de crescimento e amadurecimento para a vida: física, emocional, psicológica e espiritual.
Da mesma forma que o ser humano está preso pela boca com suas “fomes insanas”, será pela boca – via papilas liberadas, ativas e desintoxicadas – que se libertará.
O Sabor Ácido tem função, via papilas, de ativar a Ação Satwa*:

  • Qualidade da ação -> Sabedoria
  • Polaridade -> NEUTRO
  • Diálogo interno -> com a ALMA, uso do Poder Pensante
  • Percepções -> Todos os sentidos “acordados” e sintonia espontânea ao sexto sentido, inspiração, sorte e amparo
  • Início -> Prazer, Realização e Serenidade
  • Resultado ou Colheita -> Expansão, Superação, Vitória, Gratidão, Amparo e Evolução
  • Qualidade Energética -> Sutil. Ascendente com sinais evidentes de Maturidade e Crescimento
  • Faixa etária ideal para estimular -> dos 5 aos 80 anos

Desfazendo confusões
Antes pretendo desfazer qualquer chance de confusão: uma coisa é o sabor, propriedade das substâncias que estimulam o sentido do paladar. No caso do sabor ácido tais substâncias são os ácidos como o cítrico (frutas), ascórbico (vitamina C), acético (vinagre) etc. Portanto, os sabores são estímulos sensoriais, cuja percepção se restringe à região da língua e papilas.
Porém, independentemente do sabor, os alimentos podem ter a propriedade de acidificar ou alcalinizar o organismo e seus líquidos corporais. Neste caso, não importa o sabor do alimento, mas a qualidade vital do alimento. Por exemplo, alimentos do reino vegetal crus, maduros e frescos são considerados agentes pró-saúde, vitalizantes, com função alcalinizante.
Alimentos do reino animal, álcool, chá-preto, refinados, industrializados ou muito processados, ainda que seja originalmente uma fruta, são considerados agentes danosos à saúde, desvitalizantes, por sua ação acidificante.
Portanto, limão, tamarindo e uva são alimentos de sabor ácido, porém os mais poderosos na sua ação alcalinizante. Eles estimulam a digestão, desde o estômago até a excreção. São primorosos para desintoxicar e acordar todos os 5 sistemas excretores, com principal ação sobre o sistema hepático. Que curioso! Os alimentos de maior potencial alcalinizante são justamente os de sabor mais ácido…
Na verdade, os sabores ácido (solar) e adstringente (lunar) são os que oferecem a condição ideal de comunicação/nutrição celular: a bioeletricidade.
E mais curioso ainda, o primeiro alimento de uma criança ao sair do desmame é a maçã, uma fruta ácida e adstringente.
Assim, bem antes dos 5 anos já podemos estimular esses portais nos bebês e crianças. Porém, será a partir dos 5 anos que devemos ter mais atenção na oferta desse sabor, cuidando para que seja via alimentos sátvicos como as frutas cítricas e ácidas, folhas, flores e legumes na sua forma crua, madura, fresca e integral.
Os sabores ácido e adstringente são tão potencialmente sátvicos, que se tornam 100% terapêuticos, 100% poderosos,  se integrados com frutas, folhas, raízes, sementes germinadas e legumes. Quanto mais integrado, maior o poder de alcalinizar, de mineralizar e provocar a manutenção e/ou resgate da saúde plena.
E mais que isso, o sabor ácido chegou à Terra, através do limão, para ajudar o ser humano, agora um bípede, com o cérebro frontal (cérebro novo) ativado, a enxergar melhor, ter horizontes, planejar como chegar nessas novas metas que são mais distantes, desenvolver a capacidade de raciocínios que precisam ser lúcidos, claros e fazer uso do discernimento – corpos mentais.
Veio também para ajudar o ser humano a ser mais desintoxicado, portanto, menos denso, mais sutil, com maior potencial de enxergar “o todo” e assim ser mais positivo, construtivo e bem-humorado – espiritual.
Sim, o sabor ácido estimula o sistema hepático, que rege o sentido da visão (em todos os sentidos): enxergar o físico e o metafísico (o oculto).
Veio também para ajudar o ser humano a fazer bom uso do seu corpo físico, cuidando para que seu organismo viva em harmonia metabólica, favorecendo a meditação, a concentração e a visão/intuição – corpo energético/emocional. Saiba mais no meu texto Não Podemos ser Ácidos.
Condeno o vinagre, picles, marinados e todos os molhos e industrializados que o contém. Isso porque o ácido acético, apesar de sabor ácido, tem ação acidificante no metabolismo humano. Saiba mais no meu texto Limão x Vinagre – Qual a diferença?
Enquanto vivos, 80 ou mais anos, temos que caprichar no consumo dos alimentos sátvicos com sabor ácido e adstringente. Boa degustação!!!

Texto extraído do livro De BEM com a Natureza – Cuidando do seu filho com a Alimentação Viva – Conceição Trucom – editora Alaúde. Reprodução permitida desde que mantida a integridade das informações, citada a autora e a fonte www.docelimao.com.br

Deixe um comentário